NO AR

Show do Mário Belisário

De 03:00 às 06:00
> Ver a programação completa

A seguir

Programa Clóvis Monteiro

00:00 Super Madrugada Tupi
03:00 Show do Mário Belisário

ESPORTES

25/08/2016 00:00

"Quero fazer história nesse clube", exclama promessa da base

Lucas Campos, de 18 anos, é o Prata da Casa que Vale Ouro dessa semana

Por: Pedro Henrique
  
Crédito: Divulgação/Facebook
O Botafogo está acostumado a ter grandes atacantes como Túlio Maravilha, por exemplo. Por isso, investe na base para sempre renovar suas forças ofensivas. Recentemente, revelou jogadores como Caio, Ribamar e Sassá, atual artilheiro do time no campeonato brasileiro. 

Com apenas 18 anos, Lucas Campos é um exemplo disso. Destaque do carioca sub-20 deste ano com 10 gols marcados é o escolhido do quadro "Prata da Casa que Vale Ouro" desta semana. Em maio, o jovem atacante renovou com o Bota até o fim de 2019.


Confira a entrevista completa desta promessa alvinegra:

Repórter Tupi: Como você começou a carreira de jogador? Boa noite!
Lucas Campos: Comecei minha carreira jogando em Rio das Ostras num projeto social com 14 anos. Fui destaque no sub-15 no primeiro e no segundo ano. Depois, tive a chance de fazer um teste no Botafogo, foi quando consegui passar e passei a fazer parte do grupo.

RT: Quem mais te ajudou nesse mundo do futebol?
LC: Quem mais me incentivou foi Guilherme Perdigão que disse que eu tinha futuro e me incentivou. Foi ele que conseguiu o teste pra mim no Botafogo e até hoje me dá conselhos.

RT: Além de atacante, você atua em outras posições?
LC: Sim, além de atacante jogo de meio campo e até lateral esquerdo.

RT: Quais são suas características em campo?
LC: Minhas características são velocidade e drible. Gosto de jogar de perna invertida e partir pra cima dos adversários.

RT: Lucas, qual o jogador que você se espelha dentro do campo?
LC: É o Douglas Costa, do Bayern de Munique. Admiro o futebol dele. Tem velocidade, dribla bem e finaliza bem. Ele joga na mesma posição que eu, na ponta. Ótimo jogador e habilidoso. Joga sem medo.

RT: Muito vem se falando durante os Jogos Olímpicos Rio 2016 sobre o psicológico dos atletas brasileiros. Além da preparação física e técnica, você acha necessária a preparação psicológica?
LC: Sim, acho necessária a preparação psicológica. Ela ajuda muito. O atleta também tem que ter bastante concentração no objetivo e o psicológico tem que estar lá em cima para não perder o foco. 

RT: Você costuma conversar com os atacantes do profissional ou outro jogador da base que subiu recentemente para o profissional?
LC: Não. Não tenho muita intimidade com os atacantes do profissinal não. Mas eu conversava muito com o Ribamar, que já fez dupla de ataque comigo no ano passado. Admiro o futebol dele, tem muita força de vontade. Fico feliz por ele alcançar o objetivo (de ir para a Europa).

RT: O que representa o Botafogo pra você?
LC: O Botafogo representa muito pra mim. Primeiro clube que abriu as portas para mim e que me deu a chance de mostrar meu talento. É um prazer enorme honrar essa camisa preta e branca onde passaram grandes jogadores.

RT: Qual é o seu grande sonho no futebol?
LC: Me tornar um jogador profissional e ídolo do Botafogo. Quero fazer história nesse clube que acredita no meu potencial e que me ajudou bastante!

PUBLICIDADE